BeholderCast 021 Mitos e Lendas

Bem vindos aventureiros, prepare-se para viajar longe por mitos e lendas, encare um Ent Flamejante, ou junte-se ao bando do fora da lei mais amado de todos os tempos, não deixe de tirar a espada da pedra ou o curupira vai vir te pegar antes de você acabar de ouvir o cast. Não deixe de curtir e compartilhar, isso é o nosso salário, e fazendo isso você mostra pra gente que gostou do serviço e ainda mantém a taverna aberta!

Já foi considerado um Elfo – Paladino, hoje está mais para Meio Elfo – Bardo. Ama gastar a sola do tênis andando com os 4 filhos caninos e se pudesse viveria ao norte do Equador.

3 Replies to “BeholderCast 021 Mitos e Lendas”

  1. Esse podcast ficou legal demais galera! Além de ter dado umas boas ideias ai de coisas que podemos usar.
    Sobre o Curupira, já usei ele em minha mesa a não muito tempo e acho que seria legal compartilhar com vocês como eu usei ele:
    O curupira no meu mundo de jogo é uma criatura protetora das matas e dos animais, mas é considerado mais lenda do que realidade já que poucas pessoas relataram ter visto ele, e ainda assim só parte dela realmente dizia a verdade, então ele ficou bem como mito mesmo. Porem, durante uma sidequest em que os aventureiros adentraram a floresta para caçar uma “serpente gigante” (nenhuma ligação com Boitata nesse caso) que sempre ameaçava a vida dos moradores de uma vila, e então o grupo vê distante uma figura humanoide, e quando conseguem se aproximar do local de onde estava a figura e começam a seguir seu rastro, percebem que estão fazendo o caminho que vieram, eles então decidem seguir as pegadas ao contrario (até pq a ficha dos jogadores já tinha caido), e após alguns instantes eles começam a ouvir sons que parecem trovões (o curupira é conhecido nas lendas por criar sons de “trovões” batendo enormes troncos contra árvores), o som vinha de vários lados ao redor deles, os personagens ficaram aflitos, e quando olharam para trás lá estava aquela figura humanoide, meio animalesca, coberta de pelos e com cabelos e barba ruivos e muito longos, o rosto parecia uma mistura de humano e gorila, usava uma tanga, e em uma das mãos portava uma lança que apoiava no chão ao lado dos seus pés que eram invertidos.
    O curupira falava um idioma que eles não conheciam (Silvestre, que no meu mundo é falado por elfos da floresta e uma raça humanoide de homens-lobo guará), e então o curupira começa a se comunicar em um Comum bem quebrado, “Eu Curupira, eu protetor florestas, quem ser vocês?”, o dialogo decorre e o curupira diz que também esta no rastro dessa serpente gigante pois ela maltrata os animais sem precisar se alimentar, e ainda diz que existe uma energia maligna no ar (que em breve meus jogadores vão descobrir que é graças a uma bruxa na região, a magia negra delas emana e corrói a natureza ao redor, e foi ela que transformou uma serpente comum nessa serpente gigante que eles caçam). O grupo chega até a serpente e depois de uma dura batalha com o mago quase morrendo, eles derrotam a criatura maligna, e depois o Curupira os encontra novamente e colhe algumas ervas, que com sua magia, se tornam quase poções de cura, restaurando PVs ao ser aplicada nos ferimentos e os entrega um item de madeira com a forma de um dente de javali com marcas arcanas, que segundo ele os protejerá (uma vez) de ataques de animais furiosos.
    Não coloquei nenhum companheiro animal junto ao curupira, mas se fosse usar, com certeza escolheria um Javali, pois em algumas fontes quando se pesquisa sobre ele, é dito que ele anda junto, e as vezes até monta, algum javali.

    Então é isso pessoal, desculpe pelo longo comentario, mas achei esse podcast demais, adoro usar nosso próprio folclore nas minhas mesas com seres mágicos tão naturais como goblins, ogros e dragões. E acho que com isso talvez eu de outras ideias para os ouvintes que animarem ler esse longo comentário ahahahaha, até a próxima pessoal, um abraço!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *