One Comment

  1. Alexandre Magno

    A porta se abre e por ela, vocês veem uma figura toda armadurada, com uma máscara filigranada em forma de sorriso que caminha até o balcão, e da máscara se projeta uma voz metálica, com som de relógio antigo e ranger de porta.
    – Olá nobre taberneiro e famoso bardo. Sou Sonda nº3, forjado de batalha, paladino de Olidamara. Venho contar histórias, vocês decidem se são verdades ou mentiras.

    Aqui em Bauru (SP), meu grupo de RPG decidiu fazer uma mesa de One Piece, somos todos muito fãs, então seria natural querer jogar e criar histórias nesse mundo tão vasto e divertido, certo? Não, foi um grande erro.

    Criamos nossa tripulação, cada um com sua ficha e decidimos na sorte se alguém teria uma Akuma no Mi, e no fim um dos integrantes ganhou uma Zoan, e ganhou a habilidade de se transformar em castor. Decidimos por votos quem seria o capitão, e a maioria votou no Tritão que tinha o sonho de resgatar o nome dos Grande Piratas Tritões, como o Shichibukai Jinbei e claro o grande Fisher Tiger.

    Um dos jogadores fez um personagem médico, da raça Mink, uma zebra humanoide, que tinha uma relação com a marinha de utilizar piratas como cobaia para experimentos. E eu interpretei o famigerado Mishra, um marinheiro atirador, com o único objetivo de conseguir poder e status nesse mundo.

    Na primeira aventura, estávamos eu, Zeb Zebroso e nosso capitão da marinha, perseguindo alguns tritões em uma pequena ilha do East Blues. Apesar de serem os tão fortes homens-peixes, seria uma missão fácil, afinal o East Blue é o mar mais fraco do mundo.

    Eu e Zeb perseguimos o tritão pela praia, e Zeb usou todas suas forças para matar o tritão. E quando ele estendia sua mão para que eu o ajuda-se a sair do mar, já que não tinha forças pra nadar, eu apontei minha pistola pra cabeça do médico e contei do meu plano de motim contra o capitão, tomar o barco dele e nos tornarmos piratas, sob o meu comando. Ele se negou. E alí, foi o fim de Zeb Zebroso.

    Daí em diante, usei de todas as mentiras possíveis, pra fazer os marinheiros odiarem aqueles piratas. E os piratas, fiz com que quisessem sangue. As duas tripulações se mataram enquanto eu tomava o barco da marinha para mim, e fugia com a minha tripulação, claro que eu não era o capitão, não queria minha cabeça à premio, pelo menos por enquanto.

    Jogamos mais umas duas mesas, e decidimos, que nunca mais voltaríamos a falar sobre aquela história de traição, morte e mentiras.

    Desculpe pela história grande e obrigado pelo Cast. One Piece é vasto e incrível, e também uma ótima fonte de idéias pra mesas de RPG. Apesar de Não ter consumido nada, deixo 1 PO de gorjeta, e 1 PO pela música. E Até uma outra hora.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *