BeholderCast 70 – Filmes Sessão da Tarde

Bem-vindos aventureiros, nesse podcast o bardo e taverneiro recebem Bruno do Simbiose Cultural, para falar sobre os velhos filmes de sessão da tarde que fizeram parte da nossa infância. Filmes regados de aventuras, mapas de tesouros, crianças raptadas e homens que não morrem. Tudo com uma boa pitada de humor para encaixar todo esse sentimento na sua mesa!

Conta pra gente quais outros milhares de filmes marcaram a sua infância e a gente esqueceu de falar no cast.

Você gosta da taverna, quer ajudar ela a crescer, falar diretamente com a Prix, Bardo e Taverneiro? entre no nosso Padrim, doações acima de 10,00 te dão o direito de entrar no nosso grupo do Telegram, onde o bandolim toca alto e todos os clientes são ouvidos!

Capa do cast de Sessão da tarde

Não deixe de compartilhar para todos os seus amigos e jogadores. Faça sua mesa e mande fotos, arquivos e contos para a taverna!

Fale com a gente pelo e-mail: obeholdercego@gmail.com e pelas redes sociais @obeholdercego no Twitter e Instagram

Não esqueça de ajudar a taverna divulgando nosso podcast, avaliando positivamente na Itunes.

E seja um padrinho da Taverna https://www.padrim.com.br/obeholdercego

Obrigada Padrinhos!

Muito obrigada aos nossos queridos padrinhos que contribuíram no mês de Agosto e estão ajudando a Taverna a crescer!

  • Emilia Yamamoto
  • Wesley Lube D. Neves
  • Fernando Monteiro
  • Bruno Gregorio
  • Hermes Canhas
  • Erik Luiz Grenteski
  • Bruno Pelisson Marques
  • Luiz Felipe Braga da Silva

Ouça também nosso cast sobre Succubus e Inccubus

BeholderCast 69 – Succubus e Inccubus

4 Replies to “BeholderCast 70 – Filmes Sessão da Tarde”

  1. Fala Bardo e Taverneiro!!!
    Mais uma vez obrigado pelo convite para me juntar a mesa de vocês e poder conversarmos um pouco sobre alguns dos filmes que assistíamos muito quando eramos moleques.
    Obrigado Bardo também por ter poupado os ouvintes de parte d cantoria do Taverneiro, ele cantando a música do Queen foi ainda pior que cantando a música de Sandy & Junior, ainda bem mesmo, afinal, se ele fosse tão bom cantor como é sendo O Taverneiro, vc estaria desempregado na taverna! hehehehehehehehe
    Fica aqui mais alguns P.O.s, abraços e até a próxima.

  2. “Um grupo de crianças se levanta de uma mesa no fundo da taverna e saem animados pela porta segurando um mapa do tesouro que eles buscam para salvar a vila deles de uma família de ladinos, que na verdade trabalham para uma seita religiosa que quer capturar um deles para um ritual de sacrifício para se tornarem guerreiros imortais.

    Quando eles saem, Lakos, mago mercador de itens mágicos e outras quinquilharias, pede uma cerveja para o Taverneiro.”
    Olá Taverneiro e Bardo, acompanho o podcast de vocês a algum tempo mas raramente participo. Contudo, não pude deixar de parabeniza-los pelos últimos casts. A começar pelo de Yuyu Hakusho, do qual guardo muitas memórias boas.
    Sobre esse cast, eu estava pensando em como adaptar Highlander para uma mesa, mas antes preciso fazer uns adendos: Não sei como funciona na série, pois nunca procurei ver, mas nos filmes é citado que os Imortais, lutam um contra um porque se mais de um lutar, a “essência”, o poder (ou sabe-se lá como queiram chamar), do morto é dividido entre eles, que efetivamente não ganham nada. Eles não sugam alma do outro cara por completo, então eles não recebem o prêmio.

    Sobre o solo sagrado, o caso é que ele é um lugar de muito poder. Eu imagino como um Nodo de Mago, ou um Caen Lobisomem. Os Imortais não lutam dentro dele porque se lutarem, o poder do morto fica com o solo, que o absorve automaticamente. Não sei se daria certo se esconder em um desses locais, pois nada impede de, por exemplo, da pessoa ser atacada, presa, arrastada pra fora do solo sagrado e então morta.

    Sobre adaptar ele pra uma mesa, acho que não usaria D&D. Imagino que um sistema com uma pegada mais Old School ficaria melhor, como um Old Dragon ou um DCC RPG, ou mesmo um sistema mais genérico como Fate (mas não o Gurps). Por falar em adaptações, lembro que havia uma para Storyteller que eu acho que combina bem também (apesar do sistema de batalha ser uma porcaria). Não sei se colocaria classes conjuradoras no meio, pois dado momento, elas podem desequilibrar muito a mesa. Quanto as recompensas, eu pensei em um aumento nos bônus de pericia ou coisa parecida. Ele poderia tornar uma pericia qualquer como de classe por exemplo, aprender uma outra profissão ou aumentar a proficiência em determinadas habilidades. Acho que nem todo prêmio precisa ser habilidade de combate, pois ai ficaria meio estranho.

    No 1° filme é citado que quando ele derrota o Kurgan, ele passa a sentir tudo a volta dele, saber o que as pessoas pensam em qualquer lugar do mundo e até influenciar elas, mas desde antes ele tinha “o estimulo” que poderia ser um bost temporário nas habilidades físicas. Eu levaria isso em consideração na hora de adaptar a mesa.

    No mais é isso, parabéns pelo trabalho e obrigado

  3. Manos do céu… Como assim virar filmes da sessão da tarde pro RPG? O.o

    Que trabalho absurdo e foda ao mesmo tempo. Bardo, Taverneiro, vocês mandaram benzasso! Parabéns pelo episódio. Eu não teria tamanha coragem.

    Grande abraço e até o próximo comentário.
    Jorge Augusto,
    Monge nível 5, estilo de luta Kung-Fu Dragão, mestre dos Elementais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *