O Assassino de Caldarias – Parte 06

Capa do Contos do Biel o Bardo parte 5. Fundo azul com sombras. Nas laterais, linhas desenhadas formam um contorno, no topo centralizado vem O Beholder Cego. A baixo: Contos do Biel o Bardo. A baixo pictograma de um distintivo policial. A baixo: O Assassino de Caldarias - Parte 6

O detetive se vestiu rapidamente e correu para o banheiro, jogou uma água na cara enquanto passava pasta na escova dental, pegou um prestigio dentro do frigobar e desceu correndo as escadas. Chegando ao saguão do local avistou o carro da policia com o giroflex ligado.

– Boa noite devo dizer?

– Qualquer coisa serve. Respondeu a policial. – O desgraçado pendurou o corpo na torre da paróquia, aquela com o relógio lá no alto.

– Merda.

Quando chegaram ao local o corpo já tinha sido baixado, a vida dela tinha sido arrancada por uma facada no peito. A garota desaparecida, Camila, lembrava as estátuas de anjo que adornavam o interior da catedral. Felipe coçou as sobrancelhas exibindo cansaço, olhou ao redor até achar Frank, que permanecia parado a frente de uma das portas que davam acesso a nave da catedral.

Baggio andou até o fantasma e olhou ao redor tentando decifrar o que Frank queria que ele visse, o local estava vazio com algumas luzes acesas, seguiu os olhos do fantasma para avistar uma possível solução do caso. Câmeras, elas tinham sido instaladas na igreja por conta de três assaltos ocorridos no primeiro semestre do ano, Baggio correu até a porta e procurou por pontos vermelhos dispostos no estacionamento.

O detetive gritou por Vanessa e logo os dois seguiram o pároco em direção a secretaria, do computador eles assistiram as filmagens. Um doblo escuro apareceu nas câmeras e chamando a atenção, seu ocupante desceu do veiculo e pareceu retirar algo pesado do interior do carro. Algo grande, parecido com um tapete grande ou um corpo.

– Você consegue ver os números da placa? Perguntou o detetive com a energia da caçada renovada.

– Eu não, mas o pessoal da central pode. Você consegue ver se é um homem ou mulher? Respondeu a oficial.

Baggio se aproximou mais ainda do pequeno monitor e respondeu:

– Não, mas pela altura e modo como consegue carregar aquele corpo, eu acho que é um homem.

– Pedro?

– Tenho quase certeza que sim. Imagine que por um milagre ele tenha escapado do acidente e viu nessa história a chance de vingar a irmã. Faz todo o sentido se você pensar que ele pode ter assumido outra identidade e voltado aqui pra isso.

– Mas como é possível? Aqui todo mundo se conhece, mesmo que faça anos desde que ele e a família partiram alguém com certeza se lembraria.

– Plástica?

– Mas de onde ele teria tirado dinheiro pra isso?

– Essa é uma boa pergunta, que talvez essa pessoa ai das filmagens possa responder.

Três horas depois Felipe e Vanessa esperavam ansiosamente que o oficial responsável pelos vídeos passasse um novo filtro na imagem. A figura com toda certeza era um homem, enquanto a placa ainda não era totalmente visível.

Com esses dados nas mãos a letargia havia abandonado os policiais que com uma nova pista começaram a checar todas as possíveis combinações cruzando placa e veículos. Ao amanhecer descobriram o dono, Marcos Alcântara, um veterinário local. Três viaturas foram despachadas para a casa e consultório do suspeito.

Com certa truculência os oficiais arrombaram os portões da garagem vazia e colocaram a porta abaixo para ter acesso a casa. O batalhão especial vasculhou a casa até encontrar o médico veterinário desacordado. Os pés e mãos amarrados as costas, em sua boca um pedaço de fita prata quase não permitindo que o homem respirasse.

Após a chegada dos paramédicos o veterinário fez questão de se dirigir ao Capitão Fabiano.

– O que o senhor precisar eu estou disposto a colaborar. Esse desgraçado chegou dizendo que tinha um animal ferido, bateu com tudo na cabeça e depois levou meu carro.

Rapidamente o homem descreveu o assaltante e o ilustrador esboçou o retrato. Quarenta minutos depois o delegado Fabiano segurou o retrato encarando o bandido, seu rosto era azedo e ao mesmo tempo furioso, ele pegou o radio gritando ordens a seus comandados. As viaturas dispararam em direção a casa do perito criminal Lucas Castilho, um oficial acima de qualquer suspeita.

Enquanto as quatro viaturas se dirigiam a casa do perito, Lucas estacionava um dos carros da policia em frente à casa da família Fernandes do outro lado da cidade. Os oficiais que faziam a vigilância não desconfiaram do perito, o cumprimentando enquanto ele se aproximava. Lucas sorriu para os homens que conhecia a pouco mais de um ano sacou a pistola com silenciador e acabou com mais duas vidas.

Entrar na casa foi particularmente fácil, a família não desconfiou do oficial até ele sacar um taser e eletrocutar Atílio Fernandes antes dele se perguntar o que estava acontecendo. Stephanie recebeu uma pancada na cabeça e foi jogada dentro do porta-malas do carro que saiu em disparada.

Os oficiais fizeram o cerco ao apartamento de Lucas, a equipe de choque foi chamada e o grupo treinado invadiu o apartamento de modo hollywoodiano. Um pequeno aríete contra a porta que cedeu rapidamente. A dobradiça funcionou como um gatilho para uma explosão que jogou para longe destroços e os homens do batalhão especial.

Lucas sabia que eles viriam e tinha preparado tudo. Os jornalistas seguiam as ambulâncias que cortavam sinais de transito para atender os homens que agonizavam devido a enorme explosão, sem entender a ligação daquele pandemônio com o assassino de Caldarias.

Baggio os outros oficiais acompanharam em primeira mão a invasão frustrada, em seguida receberem outro duro golpe via despacho da central. Stephanie havia sido levada e dois companheiros estavam mortos. Todos os oficiais estavam desapontados. Ninguém desconfiava de alguém de dentro, quanto mais um dos responsáveis por examinar o local por provas.

Lucas Castilho conseguiu enganar a todos e agora tinha nas mãos mais uma das pessoas que ele culpava pela morte da irmã. Baggio sabia que seu tempo diminuía a cada instante. Ele e Vanessa voltaram à delegacia enquanto um alerta corria pela cidade, o carro oficial que o assassino estava usando precisava ser encontrado.

A privação de sono causa coisas estranhas às pessoas, algumas reagem tendo alucinações, outras se portam como zumbis, sem vida aparente, apenas movendo-se a estímulos externos. Baggio pertencia a outro tipo, ele conseguia transformar a privação em obsessão, e seu único foco era achar o criminoso.

Enquanto as viaturas vasculhavam a cidade, ele revirava antigos livros escolares a procura do local que Lucas poderia manter sua vítima. Deveria ser um local afastado, mas de fácil acesso. Sua mente divagava pensando em possíveis esconderijos quando sentiu uma mão tocando seu ombro.

Ele virou o rosto encarando os olhos de Vanessa, ela tinha nas mãos um pequeno bilhete que Lucas deixou no bolso da camisa de Atílio Fernandes o pai de Stephanie. O bilhete possuía uma única frase:

“Represento a esperança para o filho e a morte para viúva, quanto mais perto você me vê, mais perigoso sou.”


Não deixe de acompanhar a saga do Detetive Baggio em O Assassino de Caldarias.

Se você gostou do Contos do Biel, o Bardo, conta pra gente em obeholdercego@gmail.com

Nas redes sociais somos @obeholdercego no Twitter e Instagram e no Facebook participe do Grupo da Taverna.

Seja nosso padrinho https://www.padrim.com.br/obeholdercego

Ouça nosso cast sobre China Antiga

Prix, é a gnoma cozinheira da Taverna. Enquanto o Bardo e o Taverneiro levam todo o crédito por suas idéias, é ela quem trabalha nos fundos da Taverna para o site funcionar. Ama seus 5 filhos caninos, morre de medo de fantasma, adora um Blockbuster bem explosivo e nunca dispensa batata frita!

One Reply to “O Assassino de Caldarias – Parte 06”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *